Taxa Extra de Condomínio, quem deve pagar?

Vou tentar esclarecer de uma vez por todas a polêmica que se tem em relação a quem cabe o pagamento de taxa extra de condomínio.

Além de Corretora de Imóveis, já atuei por um período como administradora de condomínio, portanto soube na prática a tarefa árdua de realizar uma boa gestão condominial.

Então, adicionarei mais essa experiência na explicação.

Vamos a elas?

Por se tratar de uma locação de imóvel residencial, a primeira etapa é nos orientar pela Lei de Locações.

Ou seja, a Lei do Inquilinato, que nos fornece riqueza de detalhes sobre o nosso tema de hoje.

locatario taxa extra de condomonio

É o art. 22 da Lei 8245/91 que estipula que o LOCADOR é responsável pelas despesas extraordinárias.

E no Art. 23 que o LOCATÁRIO pelas despesas ordinárias.

Então, vamos analisar uma a uma.

Quando compete ao Locador a taxa extra de condomínio:

Diz no Art. 22:

X – pagar as despesas extraordinárias de condomínio.
Parágrafo único. Por despesas extraordinárias de condomínio se entendem aquelas que não se refiram aos gastos rotineiros de manutenção do edifício, especialmente:

a) obras de reformas ou acréscimos que interessem à estrutura integral do imóvel;
b) pintura das fachadas, empenas, poços de aeração e iluminação, bem como das esquadrias externas;
c) obras destinadas a repor as condições de habitabilidade do edifício;
d) indenizações trabalhistas e previdenciárias pela dispensa de empregados, ocorridas em data anterior ao início da locação;
e) instalação de equipamento de segurança e de incêndio, de telefonia, de intercomunicação, de esporte e de lazer;
f) despesas de decoração e paisagismo nas partes de uso comum;
g) constituição de fundo de reserva.

Quando compete ao Locatário a taxa extra de condomínio:

taxa extra de condominio - boleto

 Diz no Art. 23

XII – pagar as despesas ordinárias de condomínio.

Parágrafo 1º. Por despesas ordinárias de condomínio se entendem as necessárias à administração respectiva, especialmente:

a) salários, encargos trabalhistas, contribuições previdenciárias e sociais dos empregados do condomínio;
b) consumo de água e esgoto, gás, luz e força das áreas de uso comum;
c) limpeza, conservação e pintura das instalações e dependências de uso comum;
d) manutenção e conservação das instalações e equipamentos hidráulicos, elétricos, mecânicos e de segurança, de uso     comum;
e) manutenção e conservação das instalações e equipamentos de uso comum destinados à prática de esportes e lazer;
f) manutenção e conservação de elevadores, porteiro eletrônico e antenas coletivas;
g) pequenos reparos nas dependências e instalações elétricas e hidráulicas de uso comum;
h) rateios de saldo devedor, salvo se referentes a período anterior ao início da locação;
i) reposição do fundo de reserva, total ou parcialmente utilizado no custeio ou complementação das despesas referidas nas alíneas anteriores, salvo se referentes a período anterior ao início da locação.

2º O LOCATÁRIO fica obrigado ao pagamento das despesas referidas no parágrafo anterior, desde que comprovadas a previsão orçamentária e o rateio mensal, podendo exigir a qualquer tempo a comprovação das mesmas.

3º No edifício constituído por unidades imobiliárias autônomas, de propriedade da mesma pessoa, os LOCATÁRIO ficam obrigados ao pagamento das despesas referidas no § 1º deste artigo, desde que comprovadas.



Acredito que as dúvidas geradas quanto ao pagamento da taxa extra de condomínio ocorram pelo desconhecimento dos artigos apresentados na Lei.

Pois, nela o legislador teve o cuidado de exemplificar os casos, fica muito claro qual é a obrigação de cada um.

Taxa Extra de Condomínio, os erros:

Entretanto, os principais equívocos estão por parte do Síndico, ou Administradora que não toma os devidos cuidados em separar isso no orçamento do condomínio.

Taxa Extra de Condomínio - reuniao

É fundamental que o condomínio separe o que é despesa ordinária, ou seja, indique corretamente no boleto da cota condominial.

Por mais que esse seja pago via taxa extra de condomínio.

E o que é despesa extraordinária, que a principio serve para valorizar o patrimônio, e neste caso um único beneficiado é o proprietário do imóvel.

Na próxima vez que ficar na dúvida quanto a taxa extra, veja pelo o que no direito tributário chamamos de fato gerador, ou seja, o que vincula o nascimento da obrigação desse pagamento.

Não se atenha apenas o que está escrito no boleto do seu prédio, pois já presenciei diversas falhas.

Verifique exatamente o que será pago, pois essa taxa extra que hoje você está pagando pode ser de obrigação do LOCADOR, ou vice e versa, e no final acabará perdendo dinheiro.

Não perca a chance de continuar informado sobre as melhores soluções para obter uma locação mais segura.

Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão o nosso conteúdo com dicas exclusivas sobre locações de imóveis.

Até a próxima!

Inquilino com atraso no condomínio pode ter bens penhorados.

Vem saindo constantemente na mídia que o inquilino com atraso no condomínio pode ter a possibilidade de penhora dos bens para pagamento de taxa de condomínio em atraso, devido maior agilidade, e efetividade com que o novo CPC (Código Processual Civil) trata do assunto.

Vejamos mais uma matéria que saiu 04/05/16 no Site Abc do Abc:

Inquilino com atraso no condomínio.

Os moradores de apartamento devem redobrar a atenção para evitar atrasos no pagamento de condomínio.

Uma mudança no Novo Código de Processo Civil (CPC), que entrou em vigor em março de 2016, prevê a obrigatoriedade de o condômino inadimplente pagar a dívida com o condomínio em até três dias, sob pena de penhora do imóvel ou penhora online das contas em banco.

De acordo com o Instituto Pró- Sindico, atualmente, de cada 10 apartamentos pelo menos 2 estão com saldo devedor.

“Esse tipo de dívida disparou no meio da crise econômica que atingiu muitos brasileiros.

Agora, vai bastar um mês de atraso para o condomínio pedir à Justiça a penhora de bens do devedor.

É o momento de negociar a dívida para evitar surpresas. – indica o advogado Moacir Guirão Junior.”

Após acionado, o devedor terá três dias para pagar o débito, ou terá seu imóvel penhorado.

Além disso, a lei permite que o pagamento seja parcelado em até seis vezes.

“Ninguém está endividado porque quer, mas, já que a lei mudou, os moradores de prédios devem estar atentos. “

Para o advogado Moacir Guirão Junior, a melhor saída para o devedor é negociar o saldo diretamente com o síndico ou administrador do prédio.

“Muitas vezes um acordo extrajudicial pode facilitar a situação de ambas as partes.

Mediante a comprovação de que o inquilino está passando por momentos difíceis, as duas partes conseguem se alinhar para ninguém sair prejudicado

Inquilino com atraso no condomínio, nosso comentário:

Inquilino com atraso no condomínio-02

Mais um motivo para você LOCADOR ter cuidado junto ao LOCATÁRIO no cumprimento das suas obrigações, no caso aqui com o tempestivo pagamento do condomínio.

É preciso acompanhar mês a mês se a quitação está ocorrendo, pois mesmo sabendo que o inquilino pode ter bens penhorados.

Saiba que o Condomínio aciona diretamente o PROPRIETÁRIO do imóvel, e cabe a você acionar o seu inquilino.

Outra alternativa é durante a negociação e a elaboração do contrato de aluguel você combinar com o LOCATÁRIO em receber a importância mensal no montante total.

Ou seja, o aluguel e demais encargos, ficando portanto responsável pelo pagamento das obrigações, a exemplificar Condomínio e IPTU.

Continue nos acompanhando pois é nosso compromisso informa-lo sobre como obter uma locação mais segura e levar até você os principais pontos que poderão influenciar no sucesso da sua locação.

Não esqueça de compartilhar esse conteúdo para que mais pessoas tenham essa mesma oportunidade.